ALÉM DO QUE OS OLHOS PODEM VER | Por Ananda Sierra

Você já andou em uma roda gigante?

Já sentiu que tenta resolver um problema, e não consegue? Que já tentou de muitas formas e nunca consegue ver uma mudança, algo diferente? Pois é… esses dias o Espírito Santo estava falando comigo sobre como enxergamos as coisas, e descobri a metáfora da roda gigante.

 

Se você já andou em uma, então sabe que assim que entramos sentimos aquele frio na barriga, e começamos a subir e o mundo fica completamente diferente.. nos sentimos como no topo de uma árvore, no alto de um prédio, enxergando as coisas por outros olhares. Reconhecemos belezas antes não enxergadas, detalhes começam a ser revelados. Muitas vezes, só o que precisamos também para resolver nossos problemas é olhar através de uma ótica diferente.

 

Em algumas situações, tentamos simplesmente observar do mesmo lugar e tentar achar novas soluções. Assim como é impossível perceber as estrelas do céu com maior clareza com a roda gigante parada no chão, também não podemos ficar estagnados tentando construir novas possibilidades através de nossos olhos naturais. Vemos, por exemplo, o mesmo lar destruído por conta de um pai alcoólatra, as mesmas questões financeiras devido ao desemprego, o mesmo coração que se ira facilmente em meio às confusões. Podemos tentar soluções naturais, mas muitas vezes é uma causa espiritual: é preciso lutar, sim, mas com oração, jejum e declaração das verdades bíblicas. É preciso se permitir andar e olhar de cima, como se fosse do alto da roda gigante, com os olhos celestiais, e encontrar as mudanças que só Ele pode realizar.

 

Por outro lado, quantas vezes não espiritualizamos tudo demais? Ficamos tanto tempo “parados” no alto da roda gigante, contemplando a beleza da grandeza e maravilhas do Pai, que começamos a querer expulsar demônios quando, na verdade, o que precisa acontecer é uma mudança de caráter em nós. Queremos ficar só na presença de Deus, trancados no secreto, quando na verdade Ele pode estar nos chamando para praticar o amor e perdão na vida real.

 

Mas, meditando sobre tudo isso, acredito que percebi que o verdadeiro sentido é se permitir andar na roda gigante de Deus. É entender que precisamos do discernimento do Espírito Santo, da Sua sabedoria, e que Ele nos dará o equilíbrio para enxergarmos, tanto com olhos naturais, quanto espirituais nossos problemas. Talvez, a solução para esse desemprego seja sim orar e crer que nosso Deus pode abrir portas, mas também se posicionar e talvez começar um novo curso, ou acionar a sua rede de contatos para procurar uma indicação. A cura para essa ferida na alma que não cicatriza é sim, orar e buscar a direção do Senhor, pedir que Ele traga paz e dê descanso, mas talvez também seja procurar um acompanhamento, tanto espiritual quanto emocional e/ou psicológico. Para aqueles que não conseguem perdoar, crer que o Espírito Santo é quem nos traz compaixão, mas também é exercitar a empatia e tentar olhar pelos olhos do outro, enxergar menos vilões e assumir mais nossas próprias responsabilidades sobre as decisões.

 

Que Deus nos dê direção para ver além do que nossos olhos podem ver, e coragem para quebrar nossas barreiras e olhar através de outros pontos de vista, outros olhares, outras perspectivas. Porque o mundo não é como você vê, mas como você decide enxergá-lo.

Pois o Espírito que Deus nos deu não é de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio.

(2 Timóteo 1:7)

Deixe uma resposta