AMOR OU NECESSIDADE? A FOME DE SER AMADO | Por Lucas Santos

Às vezes não queremos um prato gourmet sofisticado. Só desejamos aquela coxinha de frango velha acompanhada com um copinho de café com leite do terminal de ônibus (No caso, aonde eu estou, em curitiba, os terminais de ônibus estão cercados por lanchonetes internas que vendem aquela coxinha preferida do brasileiro, rs).

Beber água é mais valioso que a própria vida se você andou por quilômetros e está com sede, é por isto que o amor-desejo muda de acordo com a necessidade, mas o amor-caridade é atemporal e doa tudo que tem de si em qualquer oportunidade, não é algo para seu bem próprio, pois o prazer está no deleite do outro, enquanto o outro é saciado eu estou sendo satisfeito, mesmo estando muitas vezes com fome ou carente de algo, meus anseios e minha necessidade são mínimas em relação a necessidade do objeto de amor e daquilo que amo de forma mais profunda e reverente.

Podemos nos lembrar de Jesus dizendo: “Minha comida é fazer a vontade de meu Pai.” Esse amor de Jesus por seu Pai, é um amor ágape, um amor que está além de circunstâncias, méritos e prazeres, está no âmbito da plena dependência de que este próprio amor e alegria do seu objeto seja amada e portanto satisfeita e completa. Não gostamos desse tipo de amor. Porque confundimos paixão e necessidade emocional com verdadeiro amor. Se não recebemos elogios quando amamos então nosso amor não é correspondido e por tanto o que estamos fazendo parece que também não é amor e isso tem afastado tantos jovens do momento secreto com Deus, por pensarem estar dedicando suas vidas em vão quando parece que o mestre não nos elogia, não nos honra e não nos coloca no pódio quando oramos 3 horas por dia ou quando sofremos perseguição por amor à Ele ou quando praticamos boas obras.

Parece que a grande necessidade do nosso objeto de amor e a centralidade dele é a nossa própria vida e nosso próprio desejo e não a cruz de Cristo e seus afetos. É como se tudo dependesse de como nos sentimos e em como somos recompensados por Ele nessa vida sobre o que fazemos por ele. E gostaria de dizer, este é um falso amor.

Se você ama a Deus esperando que Ele cumpra Suas promessas, e corresponda suas orações, seu amor é uma pedra pronta para ser lapidada. Não, não gostaria de julgar o quanto você ama a Ele ou não, gostaria de dizer que nos grandes desejos de Pedro e nas suas ânsias de agradar o mestre, ainda havia nele, em certos momentos o desejo de recompensa e de ser aceito pelo Mestre, mal sabia Ele que Jesus havia o aceitado desde o primeiro momento que o fez ser pescadores de homens. Pedro, tu és pedra. E sobre esta pedra estabelecerei a minha igreja.

Repense o quanto você ama o Mestre e o quando você dedica tempo sem esperar nada em troca Dele. Verá que quem está procurando alguém não é você, mas é Ele. Ele te procura todas as manhãs no jardim, você quer encontrá-lo. Alguém está esperando, alguém está esperando, alguém está esperando.

2 Replies to “AMOR OU NECESSIDADE? A FOME DE SER AMADO | Por Lucas Santos”

  1. Débora Vitório says: Responder

    Lindo texto! É bem verdade que as vezes ficamos tristes quando adoramos a Deus e nao somos recompensados. Mas precisamos aprender que adora-lo ja é um privilégio ❤

O que achou desse texto? Deixe seu comentário ❤