ME PONHA A MORRER | Por Giselle Prado

A onde queremos chegar? A quem estamos seguindo? Que Bíblia estamos lendo?

Há dias que venho pensando sobre chamado e viver a vontade de Deus… E me pego, muitas vezes, querendo apenas lugares favoráveis à minha carne e situações que Jesus não é o centro. Isso definitivamente está longe de um genuíno cristianismo. Isso seria viver a vontade de Deus? Estou certa que não…

Digo que não, após ouvir uma ministração do Nic Billman sobre quando ele começou a viver de fato o chamado de Deus para sua vida. Ele se encontrava com as piores causas de prostituição em Recife, aquelas que ninguém queria. Aquelas que não receberia aplausos ou holofotes. Deus disse a ele:

Vá! É com essas pessoas que quero que você esteja. São nesses lugares que ninguém quer estar que eu quero que você esteja.

Na mesma hora que ouvi isso, lembrei de quando Deus falou comigo sobre o blog e todo o projeto que envolve ele com meninas que lutam com problemas emocionais. Lembro-me bem quando Ele me disse

Eu quero que você esteja com quem ninguém deseja estar. E quero te levar à lugares a onde ninguém deseja estar.

É fácil ouvir isso e parece poético, mas na prática são outros 500… Quem é que de fato deseja acompanhar uma vida que tem problemas com bipolaridade? Hora está feliz, hora está triste. Quem é que deseja de fato discipular uma vida que constantemente pensa em se matar? Vomita todos os dias por não gostar do próprio corpo? E as vezes, corta os pulsos para acabar com a dor? Quem de fato está disposto a chorar por essas vidas? A se entregar por elas?

Bem, não me julgo estar no centro da vontade de Deus. Mas, ah, como esse desejo lateja em meu coração. E Ele me diz, com base nos grandes homens que agradaram o Seu coração, os bíblicos e os atuais como Nic Billman: Eles falavam o que eles queriam falar? Não! Eles iam para lugares que os favoreciam, lugares exuberantes e agradáveis? Não! Eles falavam e falam o que o coração de Deus mandava falar. Eles choravam por aqueles que ninguém queria chorar. Eles iam a onde ninguém se atrevia a ir. Eles se importavam em agradar a Deus. Quando temos isso como prioridade, não nos machucamos mais com a rejeição das pessoas. O coração deles queimavam por cumprir o querer de Deus. E com isso sabiam, que viver a vontade de Deus exigia a morte do eu, ou seja, suas próprias vontades, sua carnalidade que os favoreciam mas os levavam para mais longe de Deus.

Viver a vontade de Deus exige morte do nosso eu. Viver plenamente o nosso chamado envolve morrer para as nossas próprias vontades, direitos e até mesmo sonhos que não O glorificam.

Morrer é algo totalmente desagradável. Queremos ir para esquerda, mas Deus nos diz: vá para direita. “Mas senhor o caminho da esquerda é plano e sem obstáculos, sem espinhos” Leia a história de Jonas. O socorro precisa chegar nos caminhos que estão imersos em dificuldades e abarrotados de espinhos. O nosso chamado não será algo agradável a nossa carne, mas será agradável ao nosso espírito se estivermos em Jesus.

Se fato queremos viver a vontade de Deus, precisamos estar dispostos assim com os grandes homens da Bíblia, profetas e avivalistas, homens e mulheres: ir a onde ninguém deseja ir, estar com quem ninguém deseja estar.

Talvez Deus já tenha te dito: fale com tal pessoa ou faça tal coisa… Mas tal situação não lhe agradou. Ore mais e a faça. Viver a vontade de não compete em nos agradar, mas agradar a Deus. Se você está querendo agradar o seu eu… A conversão bate a sua porta. Precisamos entender isso! Precisamos agradar a Deus! Tão somente a Ele!

Repenso então sobre o que vivi e o que tenho vivido… Será que estou agradando mais a mim, as pessoas ou a Deus? Que morra o meu eu! Eu quero a vontade de Deus!