NA ESTRADA | De SP à Sumaré

viajar-amigos

Foi para fechar o ano com chave de ouro!

Um dia surpreendente e repleto de propósitos… Foi assim o dia 19 de Dezembro de 2015.

Tudo começou com um convite carinhoso, realizado pelo nosso irmão Paulo, para ministrarmos em uma igreja em Sumaré, no interior de São Paulo.

Era uma conferência de jovens da igreja local. Fomos chamados então para servi-los e para ministrar o louvor liderado pelo o Gabriel. Com muita expectativa e amor, aceitamos o convite. Logo soubemos que haveria também um pregador de fora para estar levando uma palavra de Deus para aquele dia, do ministério Por Amor A Uma Vida.

Era um sábado de muito sol. Dia alegre e agradável… Nem todos que participam do ministério Avante puderam ir, mas fomos em 5 pessoas em um carro apenas. Três meninos, eu e mais uma amiga. Como é incrível estar com os nossos amigos que nos aproximam de Deus!

Decidimos ir mais cedo, em um horário distante do culto para podermos ajudá-los arrumando, limpando a igreja e orando… Servindo.

Podíamos sentir Jesus desde quando entramos no carro… Fomos ouvindo louvor e intercedendo. Que presença doce e maravilhosa! Nossos corações estavam cheios de expectativa com o que Deus iria realizar naquele lugar. Sabíamos que não estávamos indo por ir. Havia um propósito!

Após 1 hora, chegamos a igreja, porém não havia ninguém no local.  Decidimos então ir para uma praça, arborizada, onde haviam algumas mesas e banquinhos não muito distante da igreja, logo em frente. Pegamos o violão, sentamos e começamos a louvar … Logo avistamos um senhor que se aproximava de nós. Não sabíamos da onde ele havia vindo. Ele simplesmente chegou, sentou no chão e começou a ouvir o louvor que estávamos cantando. E então pediu para cantarmos um louvor. Logo nos alegramos! Ele começou a dizer que havia voltado de uma guerra e que essa guerra havia o machucado muito. Perguntamos à ele onde aconteceu essa guerra, porém ele apenas dizia que havia sido onde ele morava e que era distante daquele lugar. Mostrou à nós algumas marcas nos seus braços e nas suas mãos. Confesso que de início pensei que ele estava bêbado, pois falava coisas aparentemente sem nexo. Mencionou sobre a guerra e afirmou que havia sido ganha… Todos nós muito atentos continuamos ouvindo cada palavra, com os olhos fixos nele. O convidamos para participar do culto que iria acontecer à noite. Ele agradeceu o convite, e disse que já havia visitado a igreja. Emendou dizendo que iria chover. Todos nós rimos, pois não havia previsão de chuva e era um dia muito ensolarado e quente. Ele se levantou com um sorriso no rosto e disse que havia gostado muito de nós e nos pediu para darmos à ele uma pulseira ou colar, (se tem algo que amamos e que não nos faltava era pulseiras e colares), sem hesitar um dos meninos retirou uma das suas pulseiras de couro e colocou no pulso do senhor. Ele apreciou, agradeceu, apertou a mão de todos se despedindo e saiu muito alegre. Ficamos extasiados, pois sentimos que Deus havia preparado aquele lugar, aquele momento e pessoa. O culto já havia começado ali, naquela praça com aquele senhor…

Quando olhamos novamente para ver onde o senhor estava indo, não o encontramos mais. Ele havia sumido de repente. Tudo bem… Fomos então para a igreja porque já haviam pessoas nos esperando lá.

Fizemos um lanche, no fundo da igreja onde havia uma casa que fazia parte do terreno. Lá conhecemos pessoas novas que nos receberam com muito carinho e atenção, inclusive dois meninos do ministério Por Amor A Uma Vida. Podíamos sentir Deus em tudo. Que alegria! Ao terminar, fomos arrumar a decoração da igreja e orar. Deus revelou a nós que aquela noite seria marcada por Ele para avivar, inspirar e levantar os jovens daquele ministério. Jesus nos mostrou que muitos estavam frios, conformados e desmotivados. Jesus queria mudar a história daquele povo e nós éramos um canal para isso acontecer.

Passou o tempo, oramos profetizando tudo o que Deus havia falado e prometido para aquele dia. Nos arrumamos para o culto e então começou a chover muito forte. Um temporal! Começaram a chegar as pessoas para participar do culto e então começou o culto. Não paramos de interceder. Começamos a sentir como se estivéssemos travando uma guerra. E de fato foi! Muito peso espiritual sentimos enquanto louvávamos a Deus, porém precisávamos combater as forças das trevas. Não foram muitas pessoas… Menos que a metade da igreja ali estava. Poucos estavam se expressando em adoração. Terminado o louvor, um dos meninos do Avante havia tido uma visão com muitos vultos no teto da igreja. Precisávamos continuar combatendo. Algo estava impedindo do Espírito Santo fluir naquele lugar.

A ministração da palavra então começou com o pregador convidado. Homem de Deus. Podíamos ver claramente o querer de Jesus em se manifestar naquele lugar. A guerra continuava. Por duas vezes, o pregador interrompeu a ministração para orar quebrando todo peso naquele lugar e confessou que não estava se sentindo muito bem e que isso nunca havia acontecido com ele. Ele é um jovem missionário, que tem uma comunhão incrível com Jesus e se diz tradutor dEle. De certo que Ele estava sentindo o que Jesus estava. Seus pais estavam presentes e seu amigos intercessores também. Logo nos pediram para interceder por ele. Começamos a orar. A palavra então flui. Uma palavra forte que sacudiu a todos ali presentes. Era sobre vivermos de fato o real evangelho puro e genuíno. De fato sermos verdadeiros cristãos nos despertando primeiramente para depois despertarmos a outros que estão brincando de serem cristãos. O peso então foi cessando… A palavra foi fluindo e o poder de Deus chegando. Mas Deus tinha ainda coisas para realizar. Ao terminar a ministração de exortação e confronto, o pregador convidou aqueles que entenderam a palavra e que decidiram vive-la irem até a frente firmando um propósito com Deus. Então foram algumas pessoas e começamos a orar por cada uma delas, impondo as mãos e abraçando. Algumas caíram de joelhos. Outras choravam compulsivamente. Outras estavam imersos na presença de Deus em  silêncio. Que incrível! Pessoas libertas e curadas!  Pessoas que foram despertadas pelo Espírito Santo.

Ao terminar o culto agradecemos imensamente a Jesus por tudo o que Ele havia feito naquele lugar. A guerra havia sido ganha!

Após o agradecimento, conversando uns com os outros nos veio a memória o senhor que encontramos na praça. Era um anjo? Ele disse sobre guerra. Ele disse sobre chuva. Coincidências não existem… Se era um anjo ou não, não sabemos, mas louvo a Deus por essa experiência incrível e por tamanha vitória. Aqueles jovens foram marcados pelo amor de Jesus! De certo que eles não são mais os mesmos. Oportunidade única de viver isso!

Ao despedimos dos meninos do Ministério Por Amor A Uma Vida, íamos comer uma pizza, porém já passava da meia noite, precisávamos pegar estrada para voltar para São Paulo. Paramos em uma rua qualquer, saímos dos carros, nos juntamos em uma roda na calçada e oramos uns pelos outros. Como gratidão por termos conhecido eles, os meninos do Avante deram aos meninos do outro ministério nosso colar da flechinha. Era uma amizade começando ali. Que honra conhecermos os amigos de Jesus! Oramos, nos despedimos e assim fomos embora seguros e extasiados por tudo o que Ele havia realizado naquele dia…

12439549_10205060867991605_5834402897375112519_n

 

One Reply to “NA ESTRADA | De SP à Sumaré”

  1. Glória a Deus! 🙌 🙏 👏

Deixe uma resposta