NÃO RETIRE SUA DOR, VENÇA COM ELA l Por Lorena Inoch

De acordo com a International Association for the Study of Pain,

“Dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável associada com danos reais ou potenciais em tecidos, ou assim percebida como dano. A dor é sempre subjetiva. Cada indivíduo aprende o uso da palavra dor através de experiências relacionadas a traumas ao longo da vida”

Na teoria, dor é apenas uma palavra, independente do peso que traz em si. Na pratica, a dor é o que traz crescimento e fortalecimento ao individuo a qual a sente. 

Um exemplo real disso, e que a maioria de nós já viveu, é quando quebramos algum osso do corpo. Para que ele se fortaleça e possa voltar ao normal com seus movimentos, o processo de dor é indispensável, pois é ali onde toda estrutura óssea se reconstrói, trazendo força e molde novamente. 

A dor tem a capacidade universal de unir pessoas de diferentes tribos ou raças. Seja em um atentado terrorista, como o 11 de setembro, nos EUA; na França, a um Jornal; ou até mesmo em uma queda de avião, como na Colômbia, onde um time de futebol brasileiro teve sua caminhada interrompida, com a morte de quase todos os jogadores e membros da equipe. Ela faz com que sejamos mais humanos e sensíveis ao próximo, nos ensina a amar mesmo em meio ao caos, ao ódio, ou a toda frieza presente no mundo. 

Do ponto de vista cristão, a dor é presente em todo o enredo bíblico, desde o velho até o novo testamento. Em Gênesis, a bíblia traz a dor onde ela é consequência do pecado.

“E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará.” Gênesis 3:16

Embora a bíblia não traga essa visão explícita, podemos tratar da dor também como presente. Dores de parto vem, e com ela, um bebê nasce, trazendo felicidade para toda família.

Em Jó, a dor trouxe a capacidade de uma visão espiritual, trazendo a existência do Deus vivo. 

“Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos”.
Jó 42:5

Em outro exemplo, de acordo com Tiago, quando suportamos as provações dolorosas, podemos nos alegar, pois nosso presente será a resistência.

“Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições. Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança.” Tiago 1:2-3

A dor nos traz a oportunidade de reconhecimento da graça divina, Paulo foi claro quanto a isso, mesmo tendo a dor presente em seu corpo todos os dias.

 “Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo”. 2 Coríntios 12:9

Não precisamos arrancar nossa dor, precisamos vencer com ela. Precisamos entender que isso nos traz um galardão, e um presente com um valor inestimável, que Jesus conquistou por nós. 

Ao maior dos exemplos de sofrimento e dor, podemos ver a pessoa de Jesus não só como um ser humano, experimentando a mesma, mas livrando muitos dela. Levando alívio e presente de vida, e vida em abundância.

“Jesus saiu dali e foi até o lago da Galiléia. Depois subiu um monte e sentou-se. Iam até Jesus grandes multidões levando coxos, aleijados, cegos, mudos e muitos outros doentes, que eram colocados aos seus pés. E ele curava TODOS. O povo ficou admirado quando viu os mudos falando e os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos vendo. E louvavam ao Deus de Israel.” Mateus 15.29-31

Ainda em Jesus, tirando seu sofrimento no deserto, sua maior dor se encontra na cruz. A cruz, como dor maior, trouxe morte; que o levou a vida, vida essa que o levou de volta pra casa. Lembre-se de que você ainda está longe de casa. Seja qual for a sua dor, reconheça seu presente, e entenda que isso faz parte do seu crescimento como Cristão no mundo. Jesus, mesmo sendo homem, entendeu isso de forma clara, e suportou por nós o preço do madeiro. 

“Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito”. 1 Pedro 3:18

Por fim, quero trazer à memória a frase que sempre ouço nas pregações do Pr. Lucinho, que por diversas vezes me fizeram enxugar as lagrimas e entender o processo da dor.  “A laranja só da seu melhor quando é espremida”. Que Deus nos abençoe, e que possamos produzir muito suco, tendo Jesus como aquele que nos espreme.