PORQUE DEUS ME AMOU | Lara Dias

“Em junho de 1993 minha mãe descobriu que estava grávida de sua terceira filha com previsão de nascer em março de 1994. Bom na época em que descobriu que estava grávida ela vivia uma situação muito difícil em seu casamento, já com duas filhas, e mais uma a caminho, um marido drogado, alcoólatra e totalmente infiel, que passava dias inteiros sem dar as caras em casa, isso sem contar o dinheiro que nunca aparecia, pois o marido tinha que bancar seus vícios.

Enfim, diante daquela situação ela não viu outra saída a não ser tentar um aborto, já que tinha acabado de entrar em um novo emprego, não queria perder essa chance, foi sua única solução, nisso ela consultou uma amiga que também passava por uma situação brevemente parecida, ambas tentaram o ato que não foi bem sucedido, pois a gravidez vingou.

Essa mãe mesmo não conseguindo “tirar” a criança, nunca aceitou essa gravidez por ressentimento do marido, então nem mesmo se preocupou em fazer um pré-natal, ou mesmo saber o sexo do bebê. E assim foi negligente até o dia do nascimento dessa criança que veio ao mundo no dia 4 de março de 1994. O bebê nasceu perfeito, seu corpo perfeito, sem nenhuma deficiência (como um médico havia dito a essa mãe quando ela tentou o aborto que poderia ocorrer), o médico disse que se essa criança nascesse provavelmente traria consigo alguma sequela da tentativa do aborto, mas pelo contrário, essa palavra não prosperou e esse bebê veio ao mundo da forma como Deus imaginou para que futuramente ela viesse fazer obras maiores em nome de Deus.

Mesmo tendo nascido bem, a infância dessa criança foi marcada pela rejeição, mesmo depois desta mãe ter tido outros filhos e permanecido nesse casamento, o tratamento era diferente, essa criança estava marcada, o amor da mãe com seus irmãos nunca foi o mesmo , pois ela foi a gestação indesejada, a gestação do momento mais difícil da vida dessa mãe, e ainda por cima nasceu com as mesmas características do pai, o que aumentou mais o rancor da mãe por esse bebê.

Grandes foram os obstáculos na vida para que essa criança se sentisse acolhida dentro dessa família, a rejeição sempre esteve presente em seu coração, e a rejeição de muitos familiares foi algo difícil de saber lidar durante muitos anos de sua vida, embora sempre fosse cristã é difícil quando se é criança ter que lidar com a falta de amor, pois ainda não havia discernimento para saber que o amor de Deus, o Abba é incondicional e tudo supera….Os anos passaram e essa criança nasceu, cresceu e aprendeu que em todas as coisas há propósitos de Deus.”

Essa criança era eu, Lara Dias Souza Santana, 23 anos, e este é meu testemunho de vida!

Eu não quero fazer desse testemunho algo triste, mas compreendo a necessidade de falar desse assunto que já me trouxe muita dor, muita raiva, mas a pior de todas, sentir pena de mim mesma. Eu passei muitos anos da minha vida tentando compreender o porque de eu ter que passar por isso, porque tanto sofrimento. PORQUE EU? Existem coisas que não cabe a nós compreender. Não estou dizendo que fui usada por Deus para trazer sofrimento a uma família. NÃO! Mas até na dor há propósitos de Deus.

Deus curou minha família, curou cada uma das minhas feridas,  e extraiu de cada uma delas o melhor de mim, Ele me forjou em minha dor, e me ensinou que o verdadeiro amor tudo supera.

Deus me chamou para amar, para pregar o amor dEle, e era necessário eu ter a experiência de total dependência de um amor puro e verdadeiro que cura e transforma para passar isso a outros. Deus me curou, e me mostrou que desde o ventre Ele já tinha sobre mim as Suas mãos me dando livramento e me acalentando em seu infinito amor.

“Pois possuíste os meus rins; cobriste-me no ventre de minha mãe.
Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.”
Salmos 139:13-16

Eu tenho convicção que desde o ventre da minha mãe o Senhor me separou para a sua boa obra, o Senhor me guardou do mal, poupou minha vida, porque mesmo quando meu pai e minha mãe faltaram para mim o Senhor sempre esteve por perto, e o Seu amor sempre foi o suficiente para mim.

Hoje eu tenho sede de falar do amor de Deus, pois não é um amor que eu já ouvi falar, e sim um amor que eu vivo a cada dia, e quero que outros também possam viver.

Deus quer nos curar por inteiro, nos ensinar mesmo nos momentos de dor, que ELE é Deus, e os olhos dEle estão sim voltados para nós, ainda que no ventre, ou escondidos da Sua presença, Ele não nos perde de vista, e em tempo, cada uma das promessas dEle, cada sonho que Ele arquitetou e que nós ainda nem chegamos a conhecer se cumprirão.

Ele não nos gerou para levar marcas de dor e sofrimento, mas para carregar a marca do amor eterno, a marca da promessa a qual Ele nos elegeu.

Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá.
Salmos 27:10

 

 

Deixe uma resposta